Artigo - AVALIAÇÃO MÉDICA

por Dr.: Augusto R. Marques - parte 1
A necessidade e o valor de uma avaliação médica obrigatória bem como suas conclusões dividem opiniões no mergulho recreativo. No mergulho profissional, ela é obrigatória e aquele que é avaliado recebe respostas do tipo pode ou não mergulhar. As exigências relacionadas ao momento, tipo de trabalho e à capacidade física no mergulho profissional não permitem que mergulhadores com certas doenças exerçam a atividade.

No mergulho recreativo, o próprio nome da atividade define o grau de exposição que o mergulhador poderá ter. No entanto, podemos perceber que prevalece o sentimento de fascínio pelo mergulho, de um gosto intenso pela atividade em detrimento de uma avaliação crítica, honesta e sincera dos riscos a que está exposto em função das suas reais condições de motivação, de preparo físico e de estado de saúde. Se quiser, o mergulhador recreativo irá acabar mergulhando de qualquer maneira. Muitas questões que envolvem a necessidade de uma avaliação médica acabam requerendo posicionamentos da comunidade de mergulhadores, da sociedade médica e da indústria envolvida no mergulho recreativo como um todo.

A análise dos acidentes fatais relacionados ao mergulho autônomo recreativo revela que, em 25% dos casos, havia uma condição clínica pré-existente relacionada com a fatalidade que, se avaliada previamente, evidenciaria uma inaptidão ao mergulho pelo praticante. Além disso, há registros de que, em 9% dos casos, a vítima havia sido informada por um especialista em medicina do mergulho ou um instrutor de que ela não apresentava condições clínicas para mergulhar.